25 maio 2013


Não sou muito de fazer este tipo de coisas aqui no blog, mas achei interessante mostrar a minha opinião acerca de um livro que li. Na verdade, foram dois. Há cerca de um ano, uma  amiga minha emprestou-me o livro Fim da Inocência, de Francisco Salgueiropara ler. Tinha ouvido algumas pessoas a comentarem o teor chocante do mesmo e decidi comprovar, como boa leitora que gosto de ser. Há um ano atrás, achei aquilo "horrível", chocante, mas viciante, de certa forma. Só para verem, e o livro ainda tinha umas cento e tal páginas, demorei apenas 2 dias a lê-lo, tal era a história retratada. E este ano, há umas semanas atrás, um colega emprestou-me o Fim da Inocência II. Esperei mais do mesmo, e foi isso que aconteceu, tal como esperava.
Para quem não conhece, o primeiro trata-se da história de uma rapariga, quase em forma de diário, e este último, é relatado por um rapaz. 
Perguntam: mas o que tem isso de especial? Pois, a meu ver, tem muito que se lhe diga. Primeiro, e até porque só li estes dois livros do escritor, creio que ele não teve noção do impacto que isto veio causar na "sociedade adolescente". Estes livros são supostos relatos, reais, da vida de dois adolescentes portugueses, na qual são descritas as mais improváveis e extremas situações que acontecem durante a adolescência. Ao lê-los, quero acreditar que estas personagens que aqui contaram a sua história, fazem parte de um núcleo mínimo de adolescentes que vivem a vida ao limite, sem realmente se preocuparem com as consequências disso. E não quero com isto chamar-me antiquada, até porque não me considero nada assim. Mas acho que para quem leu o livro, percebe o que estou a tentar dizer.
Em segundo, e apesar de o livro ser tão polémico, ao nível de escrita e conteúdo em si, é apenas mais um livro, que conta com gaffes, e com uma história que nos prende apenas pelo teor erótico e excessivo que contém. 
Por outro lado, acho que também é um livro que, para além de ser lido por nós, "adolescentes", deve ser lido por pais, não para que nos repreendam pelas nossas ações, porque todos nós temos o nosso limite de loucura, mas sim para terem consciência do que será o futuro desta e das gerações que aí virão.
E vocês? Já leram o livro?

5 comentários:

Niqui disse...

Desconhecia, mas por acaso deixaste-me curiosa. Por norma esses livros tendem a exagerar e o que me deixa curiosa é até que ponto exageram.

Niqui disse...

Nunca cheguei a ler «Os Filhos da Droga», mas já ouvi falar bastante desse livro. Quando tiver um tempinho vou tratar disso ^^

Daisy disse...

Nunca li, mas vai para minha lista!
r: Oh muito obrigada :)

Filipa disse...

Fiquei curiosa :o

http://fiifashionblog.blogspot.pt/

Pipa disse...

nunca li mas agora que li o teu post vou tratar de o comprar!