21 maio 2014

E como quem não a coisa...


...voltámos às noites de inverno, esse longo inverno em que o cão bate na porta, um temporal terrível lá fora e a minha consciência meia adormecida levanta-se para fazer o obséquio de abrir a porta ao companheiro de quatro patas. Quilo e meio de granizo em cima do pobre animal, atiro-lhe uma toalha, "limpa-te aí" qual cão domesticado, e voltamos aos sonhos, os dois, de consciência tranquila. 
(um dia terei saudades disto, sei que sim. os animais são o melhor que podemos ter!)

2 comentários:

Ana Couceiro disse...

<3 Já tinha saudades de ouvir a chuva, mas confesso que este tempo bipolar me irrita um bocadinho.
Quero ter um amigo de quatro patas. Mas quero ainda mais que os meus filhos tenham esse amigo, acho que é uma relação única.

Marisa Costa disse...

Ohh :3